Audiência Pública na Câmara discute adesão de Proposta de Escola Cívico-Militar em Simões Filho

Por Sérgio Ferreira 10/10/2019 - 21:02 hs

Por Visual News Noticias / Sérgio Ferreira

A proposta de adesão ao modelo de Escola Cívico-Militar foi tema de discussão de Audiência Pública que aconteceu na manhã desta quinta-feira (10), no plenário da Câmara Municipal. O encontro foi promovido pela Prefeitura de Simões Filho, através da Secretaria de Educação (Semed).

Além do prefeito Diógenes Tolentino e do presidente da Câmara, vereador Orlando de Amadeu (PSDB), estavam presentes na audiência os vereadores Adailton Caçambeiro (PRP), Arnoldo Simões (PRB), o presidente da Comissão de Educação, Everton Paim (PSD), Genivaldo Lima (DEM) e Luciano Almeida (MDB), o 1º Tenente da 22ª Companhia Independente da Polícia Militar (22ª CIPM), Elcimar Moreira Silva, o professor e representante da APLB – Sindicato, Marivaldo Junior, secretários municipais e líderanças políticas. Além da presença de professores, estudantes de escolas estaduais e municipais e da população, boa parte do plenário foi composto por autoridades locais.


Em discurso, o presidente da Câmara, Orlando de Amadeu, ressaltou que a decisão sobre a proposta de adesão ao Programa Nacional de Escolas Cívico-Militar em Simões Filho é do povo da cidade. “Cabe a população escolher o que é melhor. O que a população decidir, nós vereadores vamos apoiar a decisão”, disse o mandatário do Legislativo.

Ao fazer uso da palavra, o prefeito Diógenes Tolentino defendeu a participação popular na decisão de adesão ao modelo de educação proposto pelo Programa do Governo Federal.  “Nós estamos trabalhando em prol de uma cidade cada vez melhor. Conversamos com a comunidade e nesse sentido, estamos promovendo esse encontro de consulta pública, para encaminharmos o nosso desejo em aderir ao Programa. A população há tempos vem reivindicando nesse sentido e como o diálogo é uma prerrogativa dessa administração, hoje estamos aqui mais uma vez para decidirmos e esclarecer sobre o tema”, explicou o prefeito.


O presidente da Comissão de Educação da Casa, vereador Everton Paim (PSD), também defendeu o modelo cívico-militar de ensino na Escola Padre Luiz Palmeira. “Nós queremos a escola cívico-militar, agora a responsabilidade é de todos”, enfatizou Paim.

O secretário municipal de Educação, Reginaldo Paiva, que participou da audiência, afirmou que o argumento que respalda a escola militar é a qualidade dos resultados que ela tem trazido à sociedade. “Queremos garantir excelência no ensino, transmitir valores morais, disciplina, amizade, patriotismo, o respeito à família e ao professor em sala de aula”, defendeu o titular da pasta da Semed em sua fala endossada pela superintendente de Gestão Pedagógica, Heliene Mota, que fez a apresentação do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militar.